9 de abril de 2013

A descoberta da gravidez


Eis que um belo dia, meados de Junho de 2012 quando minha única “preocupação” em mente era ter uma boa ideia para colocar em prática no dia dos namorados (o 12º que eu passava com meu maridex), começo a sentir um mal estar, mais claramente uma leve azia, sensação totalmente desconhecida até meus 28 anos, no entanto tive que recorrer ao Sr. google para saber se era aquilo mesmo, e sim era.
Lembro-me que o gosto das comidas também estava muito estranho, nada tinha o mesmo sabor, o chocolate tinha gosto de alface, a maça de macarrão, o feijão de morango e assim vai.
Após uma piadinha ou outra, alguém solta a pérola: “Hum, sei não hein, acho que você está grávida”.
Grávida eu, que nada...
Peraí, mas e o atraso? E aquela sensação estranha no estômago? E aquele nó na garganta, quase como uma aflição?
Sei lá, sempre tive o desconfiômetro bem ligado e acho que aquela altura eu já sabia (mesmo que inconscientemente) que algo diferente estava acontecendo comigo.

Teste de farmácia comprado: Caso você esteja grávida em 5 minutos aparecerão 02 linhas vermelhas.
OK, teste feito, peraiiiii, mas se passaram só 10 segundos, e essas duas linhas aqui???
Oh my God, deu positivo.

Aguentei firme até o dia seguinte (12 de Junho), quando fiz o BETA HCG. Não queria fazer alarde nenhum, até mesmo porque esses testes de farmácia sempre me soaram como suspeitos, enfim, as 7:00 da manhã fiz o exame laboratorial e as 20:00hs era a previsão do resultado, e agora, como eu iria agüentar 12hs por aquela resposta, sem contar pra ninguém???

Como boa leonina durante esse período acessei o site do laboratório umas 1.984 vezes, ao final do dia já sabia de cor e salteado os números de protocolo e senha do exame.
20:00hs no relógio, e tinha chegado o grande momento.
A dúvida era se eu esperava meu maridex (que naquela época ainda era namorado) chegar da faculdade para acessar com ele ou se eu fazia aquilo sozinha.
Bom, como leoninos são curiosos, já devem saber qual foi a opção escolhida.
Eu li aquele laudo umas 5x seguidas, eu não conseguia acreditar que era positivo, aqueles números pareciam confusos, mas não havia erro, e sim eu estava grávida.

Primeira reação: Choro, muito choro, após algum tempo me acalmei e resolvi ligar para a minha melhor amiga.

Expliquei todo o acontecido e inclusive falei que havia montado uma surpresa pra ele, era uma super mesa com nosso famoso café noturno romântico, afinal era dia dos namorados, e mesmo com provas, último ano de faculdade, correria total, não poderia deixar aquele dia especial passar em branco, e não passaria mesmo!

O conselho que ela me deu: “Não conte de imediato, acalme-se, converse com ele, espere ele se alimentar e ai sim, quando a barriguinha estiver cheia e não houver chances dele desmaiar, você solta o comunicado”.
Hahaha, as amigas sempre arrasam.

Poxa, eu sempre imaginei e planejei tantas coisas para quando aquele momento chegasse, dar a notícia de que eu estava grávida, enfim, tudo parecia ter fugido totalmente do meu controle.
Ele chegou, exausto mas feliz, naquele dia eu o recebi com uma cara tão mas tããão estranha que percebi que ele me olhava tentando adivinhar o que havia de errado comigo.
Eu, cara inchada de tanto chorar, mãos tremulas, borboletas no estômago e uma enorme vontade de dar um abraço bem apertado nele e nunca mais descolar.
Esperei ele comer, todo feliz (coitadinho hehe) me falava com tanta empolgação sobre como havia sido o dia dele, e eu monossilábica apenas pensando: “deixa ele se alimentar para não desmaiar, deixa ele se alimentar para não desmaiar” (ordens da Cris seguidas).

Na seqüência, o diálogo mais louco da minha vida:

Eu: Tenho uma coisa pra te falar:
Ele: Que legal, o que é?
Eu: Tenho uma coisa pra te falar:
Ele: Tá bom pode contar.
Eu: Eu es es es es estou grávida, buááááááááááááááááááá (choros e soluços infinitos).
Ele: Que chique!

(Eu realmente acho os homens estranhos)

Sim, ele disse isso, e ficou me olhando, com cara de paisagem romana, acho que sem saber o que fazer coitado, porque eu não parava de chorar mesmo.

A ficha não caia, eu não conseguia acreditar.
Foram tantas coisas que aconteceram em minha vida em relação á saúde que esse assunto ‘gravidez’ era um tanto delicado pra mim, sim eu evitava pensar nesse assunto, não porque não queria (ser mãe algum dia), talvez evitasse pensar nisso exatamente por ter tanto MEDO de nunca conseguir ter um filho, e no fundo essa angustia era só minha, eu jamais havia comentado isso com alguém, mas por motivos pessoais de saúde que não citei aqui no blog, não achava que seria possível, foi realmente uma surpresa.

Naquela noite eu não preguei o olho (ao contrário do maridex), que teve um sono muito tranqüilo, chique né.

(Sim, os homens são muito estranhos)

Pensei sobre tantas coisas, duvidei do exame, dos sintomas, senti medo, senti felicidade, euforia, senti tudo (menos sono).
Naquela noite a minha vida começou a mudar. A partir daquele dia, corpo, cabeça, sentimentos e coração jamais foram os mesmos.

12 de Junho de 2012, o dia em que descobri que minha vida mudaria para sempre!
E mudou, pra muito melhor!


Postar um comentário